critica-homem-aranha-de-volta-ao-lar4

Se você acompanhou o blog nos últimos dias, viu que preparei um texto especial com um pouco das minhas expectativas e o que poderíamos esperar do novo filme do Homem-Aranha. Agora que já conferi “Homem-Aranha: De Volta ao Lar“, estou aqui, mais uma vez, para compartilhar com vocês o que achei do resultado final. Preparado? Antes de começar a ler, já vai compartilhando esse post com seus amigos. Eles com certeza vão se animar para a estreia nesta quinta, dia 6. Pronto? Então vamos lá!

Afinal, “De Volta ao Lar” cumpre tudo o que promete? Sim! Apesar de não soar tão épico como “Homem-Aranha“, lançado em 2002, é um dos melhores filmes de super-heróis dos últimos anos. E quando digo que ele não soa tão épico quanto o filme dirigido por Sam Raimi, não se trata de uma crítica, mas apenas por ele estar em um contexto diferente – se você tem mais de 20 anos, com certeza vai lembrar com empolgação do primeiro live-action do Homem-Aranha nos cinemas. Veja bem, em 15 anos, os fãs do Amigo da Vizinhança já tiveram a oportunidade de vê-lo em três diferentes versões. Então é compreensível que a história de origem da personagem não seja vista com tamanha empolgação, certo? Neste ponto, temos o primeiro grande acerto do novo longa. Não se trata de uma história de origem. Pelo menos não da que estamos acostumados.

A primeira aparição do novo Homem-Aranha, interpretado por Tom Holland, aconteceu em 2016, durante uma participação em “Capitão América: Guerra Civil“. Foi um pontapé diferente de tudo que estávamos esperando. Ele surgiu em meio a uma guerra e ganhou seu momento no time do Homem de Ferro, interpretado sempre brilhantemente por Robert Downey Jr. E que momento, não é? O cara mal chegou e já roubou o escudo do Capitão América (Chris Evans). Pois bem! Já que o público tinha se familiarizado com o Aranha, eis que “De Volta ao Lar” tem início exatamente dois meses depois da Guerra Civil. E para os que não assistiram ao grande embate, acontece até uma recapitulação (com muitas cenas extras, claro), desse momento histórico na vida de Peter Parker. E o melhor: filmado por ele mesmo! Um filme de Peter Parker. Literalmente.

critica-homem-aranha-de-volta-ao-lar3

E é neste ponto que ressalto mais um importante acerto do filme: é um filme do Peter Parker. Ponto!

Muitos fãs estavam se questionando se eles não iriam transformar o longa em uma espécie de “Homem de Ferro 4“, principalmente com tantas aparições do Tony Stark em todos os materiais promocionais. E também por ele ser sinônimo de muito lucro para os cofres do estúdio! [Neste caso, dois estúdios, já que temos aqui uma parceria inédita entre a Sony Pictures e a Marvel Studios.] Voltando: Mas não, não foi isso que aconteceu. Muito pelo contrário! Sua participação durante toda a história é feita de forma muito natural, podemos até dizer que orgânica. Ele não aparece mais do que deveria e sempre que entra em cena, é por uma razão específica. Então não pense que você vai ao cinema conferir uma overdose de Homem de Ferro na telona. Isso não acontece!

O filme é sobre o Peter e sobre ele ser um herói enquanto precisa dividir suas atenções com o colégio e todos os problemas que rodeiam um adolescente de 15 anos. E nada disso seria possível sem a brilhante atuação de Tom Holland, que sem dúvida, merece o título de melhor Homem-Aranha das telonas. Sua preparação para o papel foi incrível e o resultado pode ser visto de forma muito positiva no filme. Quando acreditamos em uma personagem, sentimos junto com ela, é porque seu intérprete conseguiu completar uma missão. E ele merece esse reconhecimento!

critica-homem-aranha-de-volta-ao-lar

E já que falei em adolescentes e os temidos momentos do colegial, temos outro grande acerto de “Homem-Aranha: De Volta ao Lar“: é um filme juvenil e necessário para uma nova geração que está crescendo assistindo aos filmes de super-heróis. Quando o primeiro “Homem-Aranha” chegou aos cinemas, eu tinha 10 anos de idade e até hoje lembro da minha empolgação ao vê-lo saltando entre prédios de Nova Iorque. Acredito que o novo longa represente o mesmo para as novas crianças e é incrível quando temos em jogo uma função que vai além do puro entretenimento. A produção tem um importante papel para a formação de novos adultos. Isso porque ele é inclusivo e diverso.

Que tal adolescentes gênios da ciência em destaque e não servindo como chacota para os alunos populares da escola? Demais! A mocinha da história, vivida por Laura Harrier, é a garota mais popular do colégio e líder do grupo de ciências. E a Zendaya? Ela interpreta Michelle, uma “amiga” de Peter e Ned, que é bastante antissocial e sempre com ótimas frases de efeito. Sua personalidade me fez lembrar Ally Sheedy, uma personagem que virou ícone da cultura pop em “O Clube dos Cinco“.

Aliás, o diretor Jon Watts já havia dito em entrevistas que queria prestar uma homenagem aos grandes clássicos juvenis dos anos 80. E bem, posso dizer que ele conseguiu. Se você é fã de “Curtindo a Vida Adoidado” e dos filmes do diretor John Hughes, vai querer pular da cadeira em uma das cenas. Então fique de olho!

No início do texto, expliquei que não temos aqui uma história de origem tradicional do Homem-Aranha. Para você ter uma ideia, durante os primeiros minutos, acompanhamos a origem do vilão Abutre. Sim! Logo de cara somos apresentados ao vilão, que diga-se de passagem, foi muito bem executado por Michael Keatonque já viveu o herói Batman nas telonas. Diferentes de muitos vilões que vemos por aí, Adrian Toomes tem reais motivações para o crime.

critica-homem-aranha-de-volta-ao-lar2

E o mais legal: não aconteceu de uma hora para outra, como também estamos acostumados a ver. Ele levou oito longos anos para tornar-se um chefe do crime, que contrabandeia tecnologia alienígena oriunda da Grande Batalha de NY. Tudo começou quando sua equipe perdeu a licença para reciclar o “lixo” deixado pela Guerra. Sendo assim, precisou se reinventar. Só que seguindo pelo caminho obscuro, tratando os Vingadores como inimigos.

“De Volta ao Lar”, como já vimos ao longo do texto, tem ótimas personagens e motivos suficientes para divertir e entreter o público. Ao longo do filme, é difícil você não abrir o sorrisão e ficar empolgado com a história. É como se você estivesse lendo uma revista em quadrinhos. É divertido, é colorido, tem o selo Marvel Studios, mas não se difere totalmente do padrão Sony que já conhecemos há tantos anos. É um filme sobre Peter Parker. É uma trama sobre crescimento e passagem. O que precisamos aprender para progredir e tornamos melhores em um futuro não tão distante. Não é de origem, volto a repetir, mas é sobre como tornar-se um herói. O novo Homem-Aranha é só um adolescente de 15 anos que precisa viver uma vida dupla e conturbada. Acredito que os estúdios estejam preparando sequências grandiosas, e tenho certeza que será um incrível prazer vê-lo crescer, literalmente, nas telonas!

Como veredito final, temos aqui a melhor versão do Homem-Aranha nas telonas.

Obs: tem uma cena entre os créditos e outra no finalzinho, depois que sobe todas as letrinhas. Tenho certeza que vocês vão se divertir muito!

Obs 2: O Homem-Aranha voltará!

Postado por Thiago Moreira

Editor-Chefe do Papo de Blogueiro. Viciado em cinema, televisão, música e tudo relacionado à cultura POP. Estuda Publicidade e Propaganda nas horas vagas.